Disciplina segundo as Supernannys

Acabei de ler o livro da Supper Nanny argentina que atua no Brasil, Cris Polli. O livro Filhos Autônomos, Filhos Felizes traz premissas básicas para educação dos filhos desde a primeira infância até a adolescência.

Nos primeiros capítulos Cris fala da angustia e insegurança dos pais na hora de educar, não sabem por onde começar e nem como conciliar as opiniões diferentes entre pai e mãe, ou principais cuidadores.

nos conhece como ninguém <3: Separei algumas lições da Cris Polli, que achei importante:

  • Defina com seu parceiro a forma como vocês querem a educação dos filhos, lembre que cada um de vocês foi educado de uma forma e é preciso ter um discurso único diante dos filhos;
  • Não se sinta culpada, responsabilize-se pela educação do seu filho, e de jeito algum dê presentes para justificar ausência;
  • Evite discussões e brigas do casal em frente das crianças, ela acabaram entendendo que é brigando que se resolvem os problemas;
  • Dedique tempo de qualidade aos seus filhos, olho no olho, brincar, conversar, seu filho precisa se sentir o principal ser da sua vida em pelo menos algum momento do dia (de preferência com o celular off);
  • Tenha regras claras na sua casa, pois sem elas, seus filhos não sabem o que você espera deles (quadros d comportamento e atividades podem ser uma boa idéia);
  • Elogie seus filhos, “quando os pais valorizam as boas atitudes dos filhos, reforçam a vontade de continuar fazendo o bem. A criança tem nos pais o seu maior referencial e procura sempre sua aprovação.”Cris Polli
  • O relacionamento entre irmãos é influenciado pela dinâmica da família, os pais acabam incentivando ou não uma boa amizade ou eterna disputa;
  • Você é o maior exemplo e referencial de seu filho, cuide no dia a dia a questão dos “pequenos delitos”, como passar num sinal vermelho e etc, e como isso pode influenciar na educação deles;

Continuar lendo

Como ensinar seus filhos sobre dinheiro

Em tempos de crise parece que dinheiro vira “aquele que não deve ser nomeado”, em muitas casas. Mas dá para aprender como lidar com ele em cada realidade.

Desde muito pequeninha meu pai nos ensinou a guardar moedas, e depois adolescente passou a me dar uma mesada para que eu gerisse minhas contas com material escolar e lazer, além de me incentivar em qualquer forma de ganhar meu dinheirinho (fazia pulseiras de miçangas e crepes na praia para vender, e fiz bicos na empresa do pai). Isso foi ótimo para me incentivar a querer ter meu próprio dinheiro e ser independente financeiramente, porém nunca conversamos muito sobre gestão financeira para planos a longo prazo, e nisso sou um desastre. Por isso tenho me preocupado muito desde já com a educação financeira dos pequenos.

Aqui em casa temos o “Verde” há mais ou menos 1 ano. É um porco cofre de borracha que o Fernando tem para guardar moedas. Por enquanto ele não faz idéia do que se faz com as moedas, mas já serve para explicarmos o por quê do papai ir trabalhar. Sempre que o maridão volta pra casa, traz moedas, e o Fernando guarda mais do que feliz no porco.   Continuar lendo

Divórcio com filhos, como lidar?

Vejo muito em grupos de mães, muitas questões sobre essse assunto, que sempre me chama atenção, pois sou filha de pais separados o que me fez muito empatica em relação atenção e avalanche de sentimentos que vivem os pequenos.

A psicologa Jacqueline Amorim, do blog Crescer Psicologia, e nossa colunista, fala um pouco desse assunto pra gente. Confere aqui:

Entre as muitas crises pessoais que um adulto pode passar na vida, o divórcio está entre as mais difíceis de serem enfrentadas. É mesmo muito doloroso. São inúmeras perdas significativas que o casal terá que se deparar, sendo um luto a ser elaborado. E é assim mesmo… Uma avalanche de emoções aparecerá, tornando cada dia um novo desafio a ser conquistado. É normal que nesse período surjam diversos sentimentos negativos, como raiva, frustração, mágoa, confusão, desprezo, desesperança, etc. Afinal, muitos sonhos foram interrompidos, não é mesmo?

No entanto, se a família possui filhos, é preciso respirar fundo e tentar deixar toda a mágoa de lado quando o assunto for o futuro dos pequenos. É mesmo muito difícil tomar decisões tão sérias, como a guarda dos filhos, quando se está tão abalado. Por isso, muita cautela nesse momento. Antes de resolver como será estipulada a guarda, as visitas, e a nova rotina da família, a primeira coisa a se fazer é ficar muito atento aos próprios sentimentos.

É isso mesmo. Antes de sair decidindo, é preciso parar e refletir. Isso porque, em meio a tanta dor, é muito fácil tomar atitudes impensadas, que em outros momentos jamais passaria pela cabeça.

Quando alguém sofre, Continuar lendo

O desafio de ensinar a dividir

Ultimamente o Fernando tem me matado de vergonha, me deixando num tom framboesa, meio de raiva meio de vontade de enfiar a cabeça no buraco. Parece aquele personagem do Zorra Total que grita “é meu, tudo meu”. Tem vezes que ele pega o que os outros estão brincando, tem vezes que quase rosna quando alguma criança chega perto de algum brinquedo que ele está mexendo. Mas o que me deixa sem chão é quando ele está brincando com outra coisa, e avista algum amiguinho mexendo em algum brinquedo dele, e sai correndo para arrancar o brinquedo das mãos da outra criança…oh God…que vergonha…

Enfim, fui em busca de uma explicação sobre esse comportamento, e uma luz no fim do túnel, e achei este artigo do site Hand in Hand , que me fez cair a ficha, e realmente percebi alguma relação com o comportamento do Fernando. Por exemplo, quando ele está só comigo, ele é muito mais flexível para compartillhar brinquedos, mas quando a maninha está dividindo a minha atenção com ele, aí ele passa a ser mais intolerante.

Vale a pena ler gurias, e ver Continuar lendo

A chegada de um irmãozinho – Dicas de adaptação

Quando me descobri grávida da Olívia, uma das primeiras preocupações foi como a vinda deste novo bebê afetaria o Fernando. Achava que a diferença de idade entre eles (1 ano e 10 meses) seria muito pequena, e o Fernando ainda dependeria muito de mim.IMG_0796

Enfim, o que não tem remédio, remediado está, então o que eu podia fazer era conversar com outras mães que tiveram essa diferença de idade entre os filhos e me encher de dicas para adaptação do Fernando com a irmã.

Antes do bebê nascer – 

  1. Converse bastante com seu filho, falando que tem um irmãozinho chegando, que vai ser um amigão, que está na barriga da mamãe. Dependendo da idade eles não tem muito entendimento, mas você de um jeito carinhoso vai introduzindo o assunto.
  2. Quando assistir filmes e desenhos infantis com ele, enfatize a relação dos personagens que tem irmãos. Livros sobre a chegada de um irmão também ajudam, tudo que familiarize o primogênito com esse novo mundo é bem vindo.
  3. Mostre e envolva o pequeno na preparação das coisas para chegada do irmão mais novo, seja as roupas, o quarto, a decoração. Dependendo da idade, a criança já pode até ajudar em algumas coisas e vai se sentir parte do projeto “família aumentando”
  4. Providencie um presente para que o irmão caçula “traga” para o irmão mais velho. Aqui em casa foram os bonecos do Backyardgans que o Fernando é apaixonado.

Continuar lendo

Desenvolvimento do Fernando – Primeiros 2 anos

Oi Gurias,

Então, eu comecei o blog quando o Fernando tinha 1 ano, portanto não fiz o acompanhamento mês a mês dele por aqui.  Porém no último dia 24 de Maio, meu pitoco comemorou 2 aninhos, e aí decidi fazer um post de como ele se desenvolveu até aqui 🙂

DSC_0133NASCIMENTO:

Fernando nasceu de parto cesárea, nas 39 semanas e 6 dias, depois de 12 horas de bolsa rota, e sem o parto engrenar. Como sempre falo, por falta de informação e incentivo acabei optando pela cesárea. Ele nasceu super saudável:

Hora do nascimento:11h09 da manhã.
APGAR 9/9
PESO: 3,790Kg
COMPRIMENTO:51,5cm
PERÍMETRO CEFÁLICO: 37cm

CRESCIMENTO: Continuar lendo